Futebol Saudade

Desde que, há mais de 100 anos, se fez o primeiro campeonato de futebol em Portugal, que a "passerelle", que é a vida desportiva, viu desfilar milhares de clubes.
Uns ainda hoje existem, pujantes e vigorosos até, outros, embora perdendo protagonismo, ainda resistem. Mas muitos ficaram pelo caminho.
Passaram ao futsal, deixaram o desporto, ou fecharam mesmo as portas. É dos que partiram (e não só), que aqui vamos tentar deixar a memória.




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Ponte de Lima e o futebol.



O desporto na vila foi, nos anos 20, animado pelo Triunfo e pelo Lusitano.
Mais tarde (1932) estes vão juntar-se, e daí nasce o Ponte de Lima Sport Clube.

Em 1938 este clube reformula-se e adopta a designação de Sporting Clube Limarense.
Mas o futebol no distrito haveria de fechar portas, mercê das orientações do Governo de então. Estávamos em 1943, e somente 30 anos depois ele voltaria.

Mas o panorama desportivo da vila foi muito mais mexido. Os que atrás referimos são aqueles que deixaram o nome na história do futebol federado.
Mas muitos mais houve, contudo.

Comecemos pelo princípio.

O “Rio Lima” é um dos muitos jornais que aqui se publicaram. É com ele que vemos a partir de 1922 como era por aqui o futebol. Os clubes de então eram essencialmente formados por jovens, que tinham sempre em vista alugar instalações para implantar a sede, onde através dos bailes gerassem receita para manter o clube. Que jogava futebol. Era a essência. Periodicamente faziam eleições, escolhiam dirigentes, mas no resto eram muito volúveis. Por isso o proliferar de clubes.

Mas eram muito activos. O jornal Cardeal Saraiva diz, em 13 de Agosto de 1922, que o Limiano Foot-Ball Club foi a S. Julião do Freixo jogar com o Freixoense, e perdeu 3-2, mas o jornal atribui tal facto ao número de árvores que há no campo, o que o torna impróprio, e não à falta de “association” dos player’s de Ponte de Lima!
Já se pode ver de que futebol estamos a falar.

O Limiano Sport Clube ressurge das cinzas do Limiano Foot-Ball Club em 1923. Assim o afirma o Rio Lima na sua edição de 11 de Fevereiro. A data precisa terá sido 6 de Setembro, como dá conta o Cardeal Saraiva (11 JAN 1923).

Mas já então existia o Lusitano Foot-Ball Club, pois o mesmo jornal diz que no domingo anterior a esta sua edição de 11 de Fevereiro de 1923, jogaram este novo Limianos com o Lusitano, que venceu por 1 a 0.

Mas neste ínterim alguns integrantes do novo Limianos juntaram-se aos do Triangulo Foot-Ball Club, e daí surgiria o Lethes Foot-Ball Club de Ponte de Lima (ver Rio Lima 19 AGO 1923)
Mas já então o jornal falava, uma vez por outra, de outro clube da terra: o Vitória Foot-Ball Club.

Aqui chegados, perguntamo-nos:
- mas com tantas equipas, onde se joga?

É ainda o jornal Rio Lima que nos “explica” a 30 de Agosto de 1925, quando com pompa e circunstância nos dá conta da visita do SC Valenciano, para jogar um amigável com o Lusitano, e diz que será no campo da Feira do Gado. Posteriormente até, falando do jogo já realizado, diz que a enchente foi total!

Mas o sítio não era adequado, por todas as razões, e o jornal dá conta da intenção de um grupo de entusiastas que se propõe construir um campo de futebol em Ponte de Lima. Estamos em 1926 (edição de 28 de Fevereiro), e o jornal tece grandes encómios aos obreiros de tal pretensão, que considera uma arrojada iniciativa.

O que é facto é que se concretizou. E até foram 2 os campos! E o que é mais relevante, é que os campos existem ainda, e foram reabilitados pela autarquia, que honrou os seus.


Mas falemos do então. O jornal Rio Lima vai falando frequentemente dos campos em construção, que serão o campo do Cruzeiro do Lusitano, e o campo de S. João da Ribeira.
(ver edições 13 e 20 FEV, 27 MAR, 10 ABR, 22 MAI, 5 e 12 JUN de 1927)

Finalmente surgem as inaugurações, com todo o brilhantismo e orgulho dos clubes.

O Triunfo inaugura o seu campo de S. João em Março de 1927, tendo convidado o Vianense e o Boavista.
Já o Lusitano preparou o mês de Junho para inaugurar o seu campo do Cruzeiro, com a presença do Salgueiros e do Braga.

Agora já havia onde jogar futebol, sem perturbações e intervenções policiais.

Surgem depois as tentativas de fazer um grupo forte, com a fusão do Triunfo e do Lusitano, e mais tarde, a reformulação do Sport de Ponte de Lima ainda leva o futebol até Braga, já que a associação de Viana fechara portas. Mas foi tentativa inglória, e o futebol extinguiu-se na vila.


Foi efémero o intervalo, já que em 1953 surgirá a actual colectividade – que andou 22 anos nos distritais de Braga – que representa condignamente a sede do concelho, no futebol oficial!